Cidades

Covilhã, Cidade-Fábrica

Edição 36 — 15.11.2021 • 21.11.2021
Covilhã

A lã é o fio condutor da edição desta semana e a Covilhã, recentemente incluída na Rede das Cidades Criativas da UNESCO, é o epicentro deste universo de lã. A Covilhã constitui um exemplo bastante original de uma "cidade-fábrica", um perfil geográfico e histórico que permaneceria inalterado até os anos 80, com o declínio da indústria dos lanifícios. A lã inspirou as criações de arte urbana mais impressionantes que podem ser observadas por toda a cidade, testemunhos vibrantes de uma cidade voltada para o futuro. Há antigas fábricas de lanifícios que ganharam nova vida, produzindo os artigos mais inovadores e sustentáveis. Ou projectos de empoderamento no feminino, como as Queijeiras" que irá ajudar mais de 40 mulheres de 9 concelhos distintos, na sua evolução educativa. O passado e o futuro enlaçados num só.

Situada em plena Serra da Estrela, a Covilhã é um exemplo bastante original de uma "cidade de montanha", rara no urbanismo Português, com a expressão de uma vasta tradição industrial com base nos tempos modernos e contemporâneos. A sua integração na cidade levou à criação de uma “cidade fábrica” , um perfil geográfico e histórico que permaneceria inalterado até os anos 80, com o declínio da indústria dos lanifícios. A partir de então a economia da Covilhã passou a basear-se nos recursos naturais da montanha.

A montanha é o principal atributo da cidade, localizada no coração da Serra da Estrela entre as ribeiras de Carpinteira e Goldra, que eram tão importantes para a indústria da lã. A Universidade, reestruturada na era contemporânea, a par da indústria dos lanifícios moldaram o seu perfil social e histórico, criando um forte imaginário. Estas são as pedras angulares da cidade. Covilhã sempre foi uma cidade bastante singular: na Idade Média, enquanto os arredores se desenvolviam, o interior da cidade muralhada permanecia desabitado. A Realeza teve de emitir decretos, de modo a forçar a população a habitar esta área. Foi somente no século XV que a população na zona da zona inter muralhas começou a crescer. As casas foram construídas em ruas e escadarias estreitas, delineando a topografia que pode ainda ser vista hoje em dia.

A origem da produção de lã na Covilhã pode ter começado no seio da comunidade judaica, bastante numerosa durante a Idade Média. A Covilhã transforma-se assim num centro de produção de lã graças às ribeiras da Carpinteira e de Goldra que forneciam água para o tratamento de lã, mantendo viva a tradição do pastoreio. Em 1681, D. Pedro II, Conde de Ericeira, abre a Fábrica-Escola sobre a ribeira da Carpinteira, a antiga Fábrica d’el Rei D. Sebastião, mais tarde denominada “Fábrica Velha”.

No âmbito da reforma realizada pelo Marquês de Pombral, no século XVIII, a Real Fábrica de Panos da Covilhã foi fundada sobre as pedras do demolida muralha medieval, junto à ribeira de Goldra.

As primeiras máquinas de tecelagem Jeacquard foram colocadas em 1683 na Covilhã; em 1884, é fundada a Escola Industrial Campos Melo e, em 1891, é comemorada a chegada da ligação ferroviária à Covilhã que foi determinante para o incremento da indústria dos lanifícios e da procura turística para tratamentos de tuberculose e desportos de montanha.

A indústria da lã era a principal atividade da economia local e a paisagem tornou-se “industrializada”. Consequentemente, a cidade começou a crescer tanto dentro como fora e muitas casas foram reconstruídas, transformando a Covilhã uma cidade única em termos de evolução urbana, como nenhuma outra cidade em Portugal, preservando essa identidade, até a década de 70 do século XX.

O layout da área central da cidade mudou radicalmente entre 1944 a 1958, devido à abertura de um novo Centro Cívico de acordo com as regras do regime. Este foi um caso único de mudança radical de praça principal de uma pequena cidade. Além da redefinição da praça, surgiram novos elementos representativos, como a sede da Caixa Geral de Depósitos e o Teatro-Cine.

A conversão do Instituto Politécnico (1973) no Instituto Universitário (1977) e, finalmente, em Universidade (1986), o que conduziu a um crescimento económico e social, reduzindo o impacto da profunda crise provocada pelo declínio da indústria dos lanifícios. Como a Universidade abriu suas portas na Covilhã, as estruturas universitárias foram inseridas dentro da cidade, dividida em seções, reutilizando a maior parte das antigas instalações industriais, votadas ao abandono ou em ruínas. As antigas instalações da fábrica foram renovadas junto à ribeira de Goldra (Pólo I) e da ribeira da Carpinteira (Pólo IV), o Convento de Santo António (Pólo II) e o Pólo III funciona já no séc. XXI, albergando a Faculdade de Ciências da Saúde, numa zona nova da cidade.

No século XXI, há a necessidade de lançar um novo olhar sobre a cidade, através da recuperação do património industrial da arquitectura da cidade e da ligação entre as ribeiras de Goldra e Carpinteira rio através de pontes pedonais.

O extraordinário trabalho do arquitecto João Luís Carrilho da Graça e dos engenheiros António Adão da Fonseca e Carlos Quinaz – a ponte pedonal sobre a ribeira da Carpinteira – nasceu dessa visão. Este trabalho foi premiado na 7ª Bienal Ibero-Americana de Arquitectura e Urbanismo como um dos melhores trabalhos de arquitectura da América Latina, Portugal e Espanha. Foi também premiado pelos Prémio Globais AIT (2011) e foi considerada um dos “World’s Coolest Design Destination” pela prestigiada revistaTravel & Leisure. A ponte sobre a ribeirda da Carpinteira foi também nomeada para os prémios Mies van der Rohe.

A Ponte sobre a ribeira da Carpinteira é uma das maiores pontes pedonais em Portugal: 52m de altura (como um edifício de 17 andares), 220m de comprimento e 4,40m de largura. Esta ponte, usada para caminhadas e ciclismo, foi construída sobre o vale da Carpinteira e as colinas de granito do fluxo do rio, onde as fachadas das fábricas vazias e as paredes de granito das estruturas de secagem de lã podem ser observadas ainda hoje.

As suas aparentes delicadeza e fragilidade são essenciais para a sua beleza e singularidade.

Partilhe esta página
Comece a escrever para obter resultados
Edição 58
20.06.2022 • 03.07.2022
Edição 57
06.06.2022 • 19.06.2022
Edição 56
23.05.2022 • 05.06.2022
Edição 55
09.05.2022 • 22.05.2022
Edição 54
25.04.2022 • 08.05.2022
Edição 53
11.04.2022 • 24.04.2022
Edição 52
28.03.2022 • 10.04.2022
Edição 51
21.03.2022 • 27.03.2022
Edição 50
07.03.2022 • 13.03.2022
Edição 49
28.02.2022 • 06.03.2022
Edição 48
21.02.2022 • 27.02.2022
Edição 47
14.02.2022 • 20.02.2022
Edition 46
07.02.2022 • 13.02.2022
Edição 45
31.01.2022 • 06.02.2022
Edição 44
24.01.2022 • 30.01.2022
Edição 43
17.01.2022 • 23.01.2022
Edição 42
10.01.2022 • 16.01.2022
Edição 41
27.12.2021 • 02.01.2022
Edição 40
20.12.2021 • 26.12.2021
Edição 39
13.12.2021 • 19.12.2021
Edição 38
06.12.2021 • 12.12.2021
Edição 37
29.11.2021 • 05.12.2021
Edição 36
15.11.2021 • 21.11.2021
Edition 35
08.11.2021 • 14.11.2021
Edition 34
25.10.2021 • 31.10.2021
Edição 33
18.10.2021 • 24.10.2021
Edição 32
11.10.2021 • 17.10.2021
Edição 31
04.10.2021 • 10.10.2021
Edição 30
27.09.2021 • 03.10.2021
Edição 29
20.09.2021 • 26.09.2021
Edição 28
13.09.2021 • 19.09.2021
Edição 27
30.08.2021 • 05.09.2021
Edição 26
23.08.2021 • 29.08.2021
Edição 25
16.08.2021 • 22.08.2021
Edição 24
09.08.2021 • 15.08.2021
Edição 23
02.08.2021 • 08.08.2021
Edição 22
26.07.2021 • 01.08.2021
Edição 21
19.07.2021 • 25.07.2021
Edição 20
12.07.2021 • 18.07.2021
Edição 19
05.07.2021 • 11.07.2021
Edição 18
28.06.2021 • 04.07.2021
Edição 17
21.06.2021 • 27.06.2021
Edição 16
14.06.2021 • 20.06.2021
Edição 15
07.06.2021 • 13.06.2021
Edição 14
31.05.2021 • 06.06.2021
Edição 13
24.05.2021 • 30.05.2021
Edição 12
17.05.2021 • 23.05.2021
Edição 11
10.05.2021 • 16.05.2021
Edição 10
03.05.2021 • 09.05.2021
Edição 9
26.04.2021 • 02.05.2021
Edição 8
19.04.2021 • 25.04.2021
Edição 7
12.04.2021 • 18.04.2021
Edição 6
05.04.2021 • 11.04.2021
Edição 5
29.03.2021 • 04.04.2021
Edição 4
22.03.2021 • 28.03.2021
Edição 3
15.03.2021 • 21.03.2021
Edição 2
08.03.2021 • 14.03.2021
Edição 1
01.03.2021 • 07.03.2021